MÉDICO NÃO PODE FAZER MICROPIGMENTAÇÃO CAPILAR

Com a popularização e reconhecimento da Micropigmentação Capilar como técnica eficaz na camuflagem da calvície pudemos observar um número cada vez maior de oportunistas que nunca tiveram nenhuma experiencia em implante de pigmento na derme se aventurarem na área e oferecerem esse trabalho visando somente lucro financeiro.

São indivíduos que de maneira irresponsável colocam em risco a integridade estética de quem recorre à técnica para se livrarem dos vestígios da calvície. Dentre eles temos esteticistas,manicure, cabeleireiros, enfermeiros, MÉDICOS e até frentistas de posto de gasolina.

Tratam a técnica como se para executá-la fosse necessário ter materiais espetaculares, cursos mirabolantes ou clinicas que são verdadeiros “castelos de vidro” se esquecendo e omitindo que os principais requisitos para executar a técnica é dominar a prática em implante de pigmentos na derme e o talento artístico. Não abordam esse assunto em seus anúncios sensacionalistas na internet porque em quase sua totalidade estes não possuem nenhuma trajetória ou habilidade na arte.

Em particular pude observar os médicos que se dizem aptos e as vezes se dizem os únicos autorizados a executar essa técnica, oferecem esse trabalho e tentam desqualificar os verdadeiros artistas da dermopigmentação como se eles estivessem fazendo um trabalho permitido somente à classe médica.

Para esclarecer essa questão enviei um oficio para o Conselho Federal de Medicina (CFM) questionando se a técnica poderia ser oferecida por uma pessoa se valendo de seu registro no CRM, se poderia ser oferecida ou executada por um médico, se fazia parte do curriculo de graduação medica ou de pós graduação em dermatologia ou cirurgia plástica e se era uma técnica reconhecida pela medicina.

Abaixo vocês poderão visualizar a resposta em oficio do Conselho Federal de Medicina afirmando que essa “não é uma técnica que médico pode oferecer ou praticar”. Transcrevo a resposta do conselho abaixo:

“À Senhora
VANESSA MELLO

Prezada Senhora,
Em atenção à correspondência eletrônica de Vossa Senhoria, protocolada
neste Conselho Federal de Medicina sob o nº 4365/17, sobre a micropigmentação para
calvície, esclarecemos que a micropigmentação do couro cabeludo é reconhecida como
estratégia para cobertura de áreas de alopecia. Entretanto, não faz parte do currículo da
graduação médica e nem da pós-graduação em Dermatologia e Cirurgia Plástica, não
sendo prática médica reconhecida.
Por fim, o médico não pode exibir fotos identificáveis dos seus pacientes,
mesmo com prévia autorização.

Atenciosamente,
EMMANUEL FORTES S. CAVALCANTI
3º Vice-Presidente
Coordenador do Departamento de Fiscalização do CFM “